O diretor James Cameron, responsável por TitanicAvatar O Exterminador do Futuro comentou durante uma entrevista sobre Mulher-Maravilha, mas não imaginou (ou sim) que seu comentário geraria tanta polemica.

Segundo o cineasta, “Toda a celebração que Hollywood está fazendo sobre Mulher-Maravilha é mal orientada; ela é um ícone objetificado – é apenas a Hollywood masculina de sempre fazendo a mesma coisa”.

“Não estou dizendo que não gostei do filme, mas para mim, é um passo para trás. Sarah Connor não era um ícone de beleza. Ela era forte, era inquieta, uma mãe terrível, e ganhou o respeito do público através apenas de sua bravura. E para mim, (o benefício de personagens como Sarah) é tão óbvio; afinal, metade do público é feminino”, explicou Cameron.

Patty Jenkins, diretora de Mulher-Maravilha, viu todo o movimento e resolveu tomar uma posição sobre o assunto, ela usou o Twitter para responder a James.

A incapacidade de James Cameron de entender o que a Mulher-Maravilha é, ou representa, para mulheres de todo o mundo não é surpreendente, pois, embora seja um grande cineasta, ele não é uma mulher. Mulheres fortes são importantes. Seu elogio ao meu filme Monster, e nosso retrato de uma mulher forte ainda que danificada foi muito apreciado. Mas se as mulheres devem sempre ser difíceis, duras e perturbadas para serem fortes, e se não somos livres para ser multidimensional ou celebrar um ícone das mulheres porque ela é atraente e amorosa, então não avançamos muito.

Eu acredito que as mulheres podem e devem ser TUDO, assim como os personagens masculinos. Não há um tipo certo ou errado de mulher poderosa. E a enorme audiência feminina que fez o filme ser um sucesso, certamente pode escolher e julgar seus próprios ícones de progresso.