Todd Phillips foi corajoso com Coringa, ele nos trás um filme sujo, e transgride o que conhecemos da história já batida do homem morcego, trás uma Gotham City caótica e decadente, vai ao fundo para mostrar a desigualdade social e o impacto dela.

É incrível como este Coringa segue o histórico do personagem, mesmo sem uma referência, já que é uma história original que reinventa características básicas do personagem, sem modificá-lo, sem citar nada dos seus antecessores. E nos apresenta o que já conhecemos do Coringa: Ele é doentio e extremamente violento. O clima de tensão do filme é sensacional, principalmente quando os trejeitos do ‘Coringa’ começam  a surgir.

É muito interessante como o Todd Phillips conduz a narrativa, você entende e até acha justificável as ações do Arthur Fleck até se tornar o Coringa. Ao acompanhar o personagem, vemos a transformação amigável de Arthur mudando a cada novo fracasso. Com um roteiro muito bom e a atuação impecável de Joaquin Phoenix a mudança do personagem de meigo para duro, severo e decidido é muito bem apresentada.

Phoenix trás um Coringa completo, a risada dele provoca pânico, suas expressões corporais tensão, vi nele toda uma junção das versões anteriores, uma evolução psicológica, de Jack Nicholson e Heath Ledger, só que livre para mostrar toda sua loucura e violência.

A transformação de Arthur Fleck no Coringa tem cunho político, ao mostrar a luta entre as classes em Gotham City, com reforço na referência de Tempos Modernos, mostrando os oprimidos com a elite. Representada por Thomas Wayne. Coringa dá uma leve passada na origem Batman, um raspãozinho apenas.

A fotografia de Coringa tem estética suja, tanto urbana quanto de figurino, muito parecida com a de Taxi Driver. Que por falar nesse filme, tivemos também a atuação de Robert De Niro como o apresentador de TV Murray Franklin, referência (invertida) ao seu papel em O Rei da Comédia, dirigido por Scorsese em 1982.

Violento e político, Coringa trás o nascimento do palhaço criminoso de uma forma magnifica dentro da psicologia e desigualdade social.

Coringa estreia 03 de outubro nos Cinemas