Jaloo finaliza a primeira música do seu segundo disco com as seguintes palavras: “Eu tô juntando a minha gangue, daqui a pouco eu tô de volta“. Esse verso deve grudar na cabeça daquele que ouve ao álbum do artista com uma intenção: os trabalhos que vêm a seguir, devem/vão marcar.

“Esse menino tá sumido, me dá notícia meu querido…”

Intitulado ft, o disco de estúdio do Jaloo é composto totalmente por parcerias em todas as 11 músicas.

Renovando suas raízes de uma forma gloriosa ao mixar ritmos que aglomeram nos ouvidos do ouvinte, o álbum consegue se provar, mesmo que todas as faixas seja com parcerias, já que isso atualmente é visto como um jeito de alcançar novos números para diferentes cantores.

O mais legal é que esse álbum já vinha sendo promovido desde março de 2018 com “Say Goodbye”, música que permanece na cabeça pelo seu ritmo envolvente. O clipe da faixa indicia uma nova fase pro cantor de maneira muito singela e pequena.

Logo depois tivemos a música com a MC Tha. “Céu Azul” serve muito como uma carta pessoal sobre a bonita amizade dos dois. Essa aqui pode viver por anos e quando se ouvir lá pra frente, o sentimento de nostalgia vai se engradecer mais e mais.

Todas as canções possuem vida própria, mas como todo trabalho, temos aquelas que se sobressaem, e as em questão são “Dom” (quem tem Carol Conká e Pedrowl), “Q.S.A” (com a Gabry Amarantos. Essa traz elementos de brega e é impecável), “Sem V.O.C.E (com Diogo Strausz) e “Eu Te Amei (Amo!)” (com Dona Odente e Manoel Cordeiro). Todas as músicas merecem ser ouvidas com devida atenção e já adiantamos: letras, batidas, sinfonias e melodias são marcantes no maior nível possível.

ft (pt. 1) está disponível para ouvir em todas as plataformas digitais desde o dia 6 de setembro.