O diretor Christopher Nolan escreveu um artigo de opinião no jornal Washington Post pedindo que as pessoas ajudem a comunidade do cinema. Não os astros e diretores, mas os funcionários dos estabelecimentos comerciais que, com a pandemia do coronavírus, perderam seus empregos ou tiveram uma redução de renda significativa porque recebem por hora, e não salários fixos.

“Em tempos tão incertos, não há pensamento mais reconfortante do que estamos todos juntos, algo que a experiência de ir ao cinema reforça há gerações. Além da ajuda que os funcionários dos cinemas precisam do governo, a comunidade de exibidores precisa de parcerias estratégicas e voltadas para o futuro com os estúdios”, analisou Nolan.

Embora a situação dos cinemas tenha ficado bastante complicada, o cineasta está certo de que os filmes não perderam seu valor. “Quando a crise passar, a necessidade de um engajamento coletivo humano, a necessidade de viver, amar, rir e chorar juntos será mais poderosa do que nunca”, argumentou. Na sequência, lembrou como a combinação de uma demanda que foi reprimida e a promessa dos lançamentos pode trazer também ganhos econômicos, tanto no escopo local, quanto no nacional.

“O golpe mais duro agora são em trabalhadores de negócios como cinemas, cujo principal apelo é baseado no maior instinto humano – aquele que foi usado contra nós, o que torna tudo mais difícil: o desejo de estarmos juntos. Talvez, como eu, você pensou que ia ao cinema pelo som, os doces, o refrigerante, a pipoca ou as estrelas. Mas não estávamos lá por isso. Estávamos lá uns pelos outros”, concluiu.

O próximo trabalho do diretor a chegar aos cinemas é Tenet, longa que ainda não teve sua sinopse revelada. Porém, o primeiro trailer indica que o personagem de John David Washington “acorda” após passar por um teste e a palavra “Tenet” faz a realidade mudar de alguma forma. O elenco conta com Robert Pattinson (O Farol), Elizabeth Debicki (Guardiões da Galáxia Vol. 2), Kenneth Branagh (Dunkirk), Aaron Taylor-Johnson (Vingadores: Era de Ultron), Dimple Kapadia (O Que o Coração Deseja) e Clémence Poésy (Harry Potter).

O lançamento no Brasil está marcado para 23 de julho.