É comum em adaptações para o cinema e TV, mudar etnia e gênero de personagem, essas alterações são feitas para atualizar a obra, além de trazer representatividade e inclusão para a produção. E isso sempre gera polêmica com parte do público. Recentemente, James Gunn respondeu um fã sobre o assunto em seu Instagram.

O diretor de O Esquadrão Suicida foi questionado sobre o Pistoleiro do filme anterior, onde David Ayer escalou Will Smith, para interpretar o personagem que é branco nos quadrinhos.

“De novo, é bem simples – pessoas não fazem filmes sobre super-heróis desconhecidos” diz Gunn sobre o porquê de não criar heróis e personagens novos de outras raças.

“Além disso, é inatamente discriminatório pensar que o que faz tal personagem ser esse personagem é seu ou sua etnicidade e não seu ou sua personalidade. Por que é, senão racismo, que David Ayer, por escalar Will Smith como Pistoleiro, e John Watts, por chamar a Zendaya para ser a Mary Jane, receberam muito mais m#rda por essas escolhas que eu quando fiz o Drax e a Mantis alienígenas no lugar de humanos em Guardiões?”.

E continuou especificamente no caso do Pistoleiro.

“Na maioria dos casos, essas foram ótimas escolhas de elenco – Will Smith é muito parecido com o Floyd dos quadrinhos, a diferença é que ele é negro. E isso não foi feito sem razão alguma – geralmente é feito para refletir melhor o nosso mundo e para contratar o melhor ator para o papel, independente de etnia. Se David Ayer pensasse que Mark Wahlberg seria um Pistoleiro melhor, ele provavelmente o teria chamado”, concluí Gunn.